#Descubra: cidade das cachoeiras

santa rita de jacutinga

O desafio descubra no mês de março foi mais do que um novo lugar. Dia 23 foi aniversário do Diogo e eu estava pensando qual presente daria. Refletindo sobre as opções, decidi que não daria nada material, mas sim alguma experiência. Ele sempre falou que experiências valem mais do que produtos e eu concordo, mas na prática, tinha um pouco de preguiça de planejar as coisas.

Porém, esse ano nós dois estamos trabalhando bastante e precisávamos de um descanso. Sem contar que com os anos de namoro, a gente precisa ser mais criativa na hora de presentar. Procurei hotel fazenda, resort e lugares legais para um final de semana em paz. Até que encontrei um artigo sobre “cidades para ir de bate volta de Juiz de Fora” e nele descobri Santa Rita de Jacutinga.

vista da cidade
Foram horas de pesquisa na internet para saber o que fazer na cidade, onde ficar, quanto tempo de viagem. Enfim, tinha que ser tudo bem planejado, porque não era só uma cidade nova que íamos conhecer, era a primeira viagem que eu organizava pra nós dois, de surpresa pra ele.

A cidade das cachoeiras

Segundo minhas pesquisas, Santa Rita de Jacutinga tem mais de 70 cachoeiras. A cidade é bem pequena, não chega a 5 mil habitantes, mas tem muita área para explorar. A gente conseguiu visitar alguns desses cantinhos, mas senti falta de um guia. As quedas d’água não são tão fáceis de chegar e a sinalização é bem ruim. Sem contar que é difícil informação precisa na cidade e as distâncias para um mesmo lugar variavam de 2 minutos a 10 km, dependendo de quem nos orientava.

santa rita de jacutinga

Além das cachoeiras, que são muito bonitas, visitamos a fazenda Santa Clara e as duas igrejas da cidade. A fazenda é enorme, fizemos a visita guiada e foi muito enriquecedor conhecer a história local. Nas igrejas nós fomos sozinhos. A matriz fica no centro e é bem moderna. A outra fica no topo de um morro que só da pra chegar a pé. A vista faz valer a subida íngreme, ainda mais se pegar o por do sol. E todo o caminho é bonito, a cada passo um novo visual. Para quem sabe curtir cada momento, não precisa esperar o topo. Aquela história de valorizar as pequenas alegrias e não só ficar a espera da grande felicidade, sabe? Foi bem isso que senti nesse passeio.

Para finalizar o sábado, escolhemos uma pizzaria que além de deliciosa, era muito acolhedora. Demos sorte que no dia ia ter seresta e estava lotada de famílias. Aquele clima me trouxe uma sensação de muita paz e alegria, vendo as famílias curtindo um programa tão simples e corriqueiro na minha rotina, como se fosse o maior evento no dia a dia delas. Os amigos chegando para ouvir o colega cantando e vibrando a cada música. Foi contagiante. Coisas que se tornam comuns na cidade grande, na rotina de quem frequenta bar e restaurante com frequência. Quantos lugares já fui que estava tendo música ao vivo e eu se quer ouvia a música ou sabia o nome da banda?

Descubra a melhor versão de você

Eu poderia até fazer um diário de viagem, mas o intuito não é falar da cidade em si.  Até já falei demais! O que descobri com o desafio esse mês não foi só uma cidade turística. Descobri um lugar gostoso em meio a natureza e uma nova opção de passeio, mas principalmente, redescobri pequenos prazeres da vida e uma forma simples de curtir cada um deles.

cidade das cachoeiras

Com a rotina puxada, dias corridos e tanta tecnologia o tempo todo, às vezes esquecemos como cada detalhe constrói o todo. Nem percebemos as coisas mais simples por trás de grandes modernidades. Parece absurdo ir para um lugar onde o celular não pega bem ou onde você simplesmente não quer usar o aparelho. Deixar a câmera de lado para curtir o visual real e guardar somente na memória. Esquecemos como é conversar com as pessoas sem meios intermediando, descobrir lugares sem GPS ou relembrar temperos caseiros.

Muitas vezes esquecemos de ser feliz com o que temos e focamos somente naquilo que falta. Nessa viagem eu poderia falar que faltou tanta coisa, desde o pijama que quase esqueci de levar, até a escova de dente que por um instante eu achei que tinha jogado no lixo, até a cachoeira que andei por quase meia hora e não encontrei ou o pau de selfie que ficou em casa. Sempre vai faltar alguma coisa, mas se focarmos nisso, nunca seremos completos ou felizes de coração, porque a felicidade sempre vai estar naquilo que ainda não conquistamos.

Cidades pequenas me cativam sempre por isso, porque me resgatam aquilo que eu tenho de mais puro, de mais verdadeiro em mim. Me fazem sentir uma gratidão enorme por cada conquista, cada momento, cada dia que tenho oportunidade de viver. No #descubra desse mês eu descobri que posso ser bem mais do que sou, precisando de quase nada.

Compartilhe:

Comente o que achou: